quase uma oração -performance coletiva - programacaodigital.com

Para não esquecer: ação performática que (d)enuncia as mortes por covid-19 terá nova ativação durante 24h

Eventos OnLine Programação OnLine
quase uma oração -performance coletiva - programacaodigital.com
quase uma oração -performance coletiva – programacaodigital.com

Programação Digital : performance 

Para não esquecer: ação performática que (d)enuncia as mortes por covid-19 terá nova ativação durante 24h 

Mais de 50 pessoas, entre artistas e não-artistas, participam da performance Quase-Oração, que acontece no dia 27 de fevereiro de 2021, para contar, um a um, os números de mortes por Covid-19 no Brasil.

A ação contará com a participação dos criadores do Memorial Inumeráveis, Edson Pavoni e Gabriela Veiga, além de agentes do campo da cultura local, como Isabel Ramil, Izis Abreu, Bruna Paulin, David Ceccon e Guilherme Mautone.

A primeira etapa da ação aconteceu entre os dias 25 de janeiro e 02 de fevereiro, totalizando 193 horas de contagem, desde o número 1 ao 225.143 (número total naquele momento), tornando-se uma das mais longas performances ininterruptas já realizadas no País.

“A reativação, marcada para o dia em que o Brasil deve ultrapassar a assustadora marca de 250 mil mortos, é uma resposta diante da relativização da vida humana, fundamentada na capitalista salvaguarda da economia, fato vivenciado na maior crise sanitária enfrentada no Brasil e no mundo no último século”, afirma Diego Groisman, um dos idealizadores da ação.

A performance duracional conta com a participação de pessoas de diferentes estados do território nacional e brasileiros residentes no exterior, que se revezarão de hora em hora para contabilizar os números das vítimas fatais da Covid-19, e o público poderá acompanhar ao vivo a leitura dos números pelo instagram @quaseoracao

Um fragmento do texto coletivo, que acompanha o trabalho, afirma: “Solitária e em conjunto, a performance denuncia a impessoalidade dos números constantes nas estatísticas e presta uma homenagem às vítimas da pandemia. O som de cada número está no lugar de uma vida – irrepetível, irrecuperável – que se extinguiu. Assim, a enunciação é realizada como um cumprimento de um rito lento, longo, repetido e sistemático. Uma “quase-oração” de despedida por e daqueles que deram seus últimos suspiros”.