Festival de Cinema de Gramado 2020- Edison Vara Pressphoto - Programação Digital

Conheça os vencedores do Festival de Cinema de Gramado 2020

Cinema Entretenimento Eventos OnLine Programação Digital Programação OnLine
Festival de Cinema de Gramado 2020- Edison Vara Pressphoto - Programação Digital
Festival de Cinema de Gramado 2020- Edison Vara Pressphoto – Programação Digital

Festival de Cinema de Gramado 2020 : “King Kong en Asunción” é o melhor filme brasileiro e “La Frontera” é o longa estrangeiro vencedor

A Cerimônia de Premiação do Festival de Cinema de Gramado 2020 foi apresentada por Renata Boldrini, Roger Lerina e Marla Martins direto do Palácio dos Festivais, em Gramado, na noite de sábado (26.09). A revelação dos vencedores e a entrega dos Kikitos, inédita, separados pela distância física, foi aproximada pela tecnologia com opções multiplataforma.

Vencedores do Festival de Cinema de Gramado 2020

Melhor Filme – King Kong en Asunción
Melhor Direção – Ruy Guerra, por Aos Pedaços
Melhor Ator – Andrade Júnior, por King Kong en Asunción
Melhor Atriz – Isabél Zuaa, por Um Animal Amarelo
Melhor Roteiro – Felipe Bragança, por Um Animal Amarelo
Melhor Fotografia – Pablo Baião, por Aos Pedaços
Melhor Montagem – Eduardo Gripa, por Me Chama Que Eu Vou
Melhor Trilha Musical – Salloma Salomão, por Todos os Mortos e Shaman Herrera, por King Kong en Asunción
Melhor Direção de Arte – Dina Salem Levy, por Um Animal Amarelo
Melhor Atriz Coadjuvante – Alaíde Costa, por Todos os Mortos
Melhor Ator Coadjuvante – Thomás Aquino, por Todos os Mortos
Melhor Desenho de Som – Bernardo Uzeda, por Aos Pedaços
Prêmio Especial do Júri: Elisa Lucinda, por Por que você não chora?
Menção Honrosa do Júri: Higor Campagnaro, por Um Animal Amarelo

Longa-metragem Brasileiro – LMB
Melhor Filme recebe o Kikito + prêmio de R$ 25 mil
Demais categorias recebem o Kikito + R$ 2 mil

Longa-metragem Estrangeiro – LME

Melhor Filme recebe o Kikito + prêmio de R$ 12 mil
Demais categorias recebem o Kikito + R$ 1,5 mil

Melhor Filme – La Frontera
Melhor Direção – Mariana Viñoles, por El gran viage al país pequeño
Melhor Ator – Anibal Ortiz, por Matar a un Muerto
Melhor Atriz – Daylin Vega Moreno (Diana), Sheila Monterola (Chalis), por La Frontera
Melhor Roteiro – David David, por La Frontera
Melhor Fotografia – Nicolas Trovato, por El Silencio del Cazador
Prêmio Especial do Júri: El Gran Viaje al País Pequeño

Longa-metragem Gaúcho – LMG
Melhor Filme recebe o Kikito + prêmio de R$ 5 mil

Melhor Filme – Portuñol, de Thaís Fernandes

Curta-metragem Brasileiro – CMB
Melhor Filme recebe o Kikito + prêmio de R$ 6,5 mil
Demais categorias recebem o Kikito + R$ 1 mil

Melhor Filme – O Barco e o Rio
Melhor Direção – Bernardo Ale Abinader, por O Barco e o Rio
Melhor Ator – Daniel Veiga, por Você tem olhos tristes
Melhor Atriz – Luciana Souza, Inabitável
Melhor Roteiro – Inabitável, Matheus Farias e Enock Carvalho
Melhor Fotografia – O Barco e o Rio, para Valentina Ricardo
Melhor Montagem – Você tem olhos tristes, para Ana Júlia Travia
Melhor Trilha Musical – Atordoado, eu permaneço atento, para Hakaima Sadamitsu, M. Takara
Melhor Direção de Arte – O Barco e o Rio, para Francisco Ricardo Lima Caetano
Melhor Desenho de Som – Receita de Caranguejo, Isadora Torres e Vinicius Prado Martins
Prêmio especial do júri: Preta Ferreira, por Receita de Caranguejo

Júri Popular
Curta Brasileiro: O Barco e o Rio, de Bernardo Ale Abinader
Longa Estrangeiro: El gran viaje al país pequeño, de Mariana Viñoles
Longa Brasileiro: King Kong en Asunción, de Camilo Cavalcante

Júri da Crítica
Curta Brasileiro: Inabitável

Longa Estrangeiro: El Gran Viaje al País Pequeño
Longa Brasileiro: Um animal amarelo

Festival de Cinema de Gramado 2020

O longa pernambucano “King Kong en Asunción”, de Camilo Cavalvante, conquistou três Kikitos, entre eles o de Melhor Filme do Festival de Cinema de Gramado 2020. Andrade Júnior, o protagonista que infelizmente não chegou a ver a obra concluída porque faleceu em maio de 2019, foi reconhecido como Melhor Ator pela brilhante atuação do matador de aluguel que depois de cometer o último assassinato na região desértica de Salar de Uyuni se esconde no interior da Bolívia e em seguida decide ir atrás da filha que nunca conheceu. A produção passou por três países e contou com profissionais de cinco. “Estou muito muito surpreso. Eu acho que cinema e arte não são corrida de cavalo, que tem o melhor ou o pior. Todos os filmes que foram apresentados tem o seu valor. Sem a arte a gente não tem sobrevive ao peso da vida. Seguimos com a vontade de construir um país e uma América Latina mais igual, mais justa e mais afetuosa… A gente está vivendo um momento surreal, de violência e de falta de tolerância do ser humano”, comenta o diretor Camilo, emocionado. O filme leva o Kikito ainda na categoria Melhor Trilha Musical, prêmio para Shaman Herrera, que divide a estatueta com Salloma Salomão, de “Todos os Mortos”.

“Todos os Mortos”, o longa de Caetano Gotardo e Marco Dutra, que aborda a história do Brasil a partir da perspectiva de pessoas escravizadas, venceu nas categorias de Melhor Atriz Coadjuvante, para Alaíde Costa, e Melhor Ator Coadjuvante, para Thomás Aquino.

O consagrado cineasta Ruy Guerra levou o Kikito de melhor direção por “Aos Pedaços”. O filme levou ainda o prêmio de melhor fotografia para Pablo Baião, e melhor desenho de som, para Bernardo Uzeda. “Quero agradecer a coragem de dar uma premiação a um filme como ‘Aos Pedaços’ que foge à regras, é um filme que nem todo jurado teria coragem de premiar. À minha equipe, que me ajudou a descobrir o filme que eu queria fazer. Foi um filme em que precisei de muitos talentos, e tive esses talentos. Mas também não posso deixar de falar da escuridão em que estamos vivendo. Um governo que dizima as populações indígenas e quilombolas. Um governo racista, que promove uma avalanche de destruição. Obrigada ao Festival por abrir essa janela por onde respiramos um pouco de ar puro”, agradeceu Ruy Guerra.

Ganhador de melhor fotografia, Pablo Baião comentou: “É muito bonito ver o Festival de Cinema de Gramado se renovar. Eu vi todos os filmes, os filmes concorrentes são belíssimos. Há lindas fotografias e por isso sou mais honrado por ganhar esse prêmio. Muito obrigado por fazerem esse Festival. A gente vai continuar, o cinema vai viver. Vai sobreviver a esse governo que nos vê como inimigos”, finaliza Baião.

A portuguesa Isabel Zuaa conquistou o júri e foi eleita a melhor atriz pela atuação no longa “Um Animal Amarelo”, tragicômica fábula tropical, como descreve o diretor Fernando Bragança. A história de um cineasta falido que mergulha em uma jornada pelo Brasil também é vencedora nas categorias ,elhor Direção de Arte para Dina Salem Levy, e Melhor Roteiro para Felipe Bragança. Isabel recebeu a notícia de sua casa, em Portugal. Muito emocionada, teve tempo de agradecer e manifestar a admiração pelas atrizes que disputam com ela o Kikito antes da família invadir a tela para um abraço coletivo.

“Me Chama que eu Vou”, o documentário sobre a vida do cantor Sidney Magal levou o prêmio de Melhor Montagem, Kikito que vai para Eduardo Gripa.

O Prêmio Canal Brasil foi concedido para o curta Inabitável, de Luciana Souza, que recebe R$ 15 mil e o direito a exibição na programação do Canal.

Estrangeiros

“La Frontera”, de Davi Davi, é o Melhor Filme longa estrangeiro do 48º Festival de Cinema de Gramado. Assinando também o roteiro, o jovem cineasta que retrata o drama de famílias afetadas pelas crises de fronteira entre Colômbia e Venezuela levou o Kikito nas duas categorias. O longa também garantiu a estatueta de Melhor Atriz para as duas protagonistas Daylin Vega Moreno e Sheila Monterola. “Estou contente e nervoso. Agradeço ao Festival por essa alegria. É um ponto de esperança, precisamos encontrar maneiras de que tudo isso não deixe sequelas muito profundas”, comentou o diretor David David.

O Kikito de Melhor Direção foi para “El gran viaje al país pequeño”, de Mariana Viñoles, documentário que acompanhou a trajetória de duas das cinco famílias de refugiados sírios recebidas pelo Uruguai em 2014.

Anibal Ortiz recebeu o Kikito de Melhor Ator por “Matar a un Muerto”, filme ambientado durante o período da ditadura militar no Paraguai. A Melhor Fotografia ficou para Nicolas Trovato, por “El Silencio del Cazador”.

Gaúcho

O melhor longa-metragem gaúcho Portuñol, da diretora Thais Fernandes, fala sobre a intersecção de culturas. “Muito feliz por este reconhecimento, e quero parabenizar os colegas, agradecer a todas as pessoas que fizeram parte deste filme. Queríamos mostrar uma fronteira que muita gente não conhece, a mistura de cultura, mostrar a importância de conviver com as diferenças. É uma narrativa que fala da importância de conviver com as diferenças”, diz Thais.

Curtas

O “Barco e o Rio” é o grande vencedor na categoria de Curta-metragem Brasileiro. A produção amazonense gira em torno de duas irmãs. Vera é uma mulher religiosa que vive em um barco ao lado da irmã Josi, que frequenta os bares dos arredores. O curta venceu em quatro categorias e levou os Kikitos para Melhor Filme, Melhor Direção para Bernardo Ale Abinader, Melhor Fotografia para Valentina Ricardo e Melhor Direção de Arte para Francisco Ricardo Lima Caetano.

O Kikito de Melhor Atriz vai para a experiente Luciana Souza, por “Inabitável”. Luciana interpreta Marilene, que procura por sua filha, uma mulher trans que está desaparecida. A atriz interpretou Isa no aclamado “Bacurau” e tem em sua trajetória papéis como dona Joana de “Ó pai, ó”. “Inabitável” também tem o Melhor Roteiro, Kikito concedido a dupla Matheus Farias e Enock Carvalho. Daniel Veiga levaou a estatueta como Melhor Ator pela interpretação do entregador de app em “Você tem Olhos Tristes”, filme que também tem a Melhor Montagem, prêmio para Ana Júlia Travia.

Melhor Trilha Musical foi para Hakaima Sadamitsu e M. Takara, por “Atordoado, eu permaneço atento” e Melhor Desenho de Som para Isadora Torres e Vinicius Prado Martins, de “Receita de Caranguejo”.